quarta-feira, novembro 29, 2006

Carl Barât, na NME dessa semana: "Acabar com o Libertines quase me matou. Ter que ficar cumprindo nossos compromissos e tocando por aí não foi fácil. Eu deveria ter vestido uma armadura. Eu estava conseguindo fazer tudo isso por causa de Pete." E finaliza: "Eu serei um Libertine até o dia em que morrer."

Isso não dá um pouquinho de esperança? ><

3 comentários:

Soneca disse...

Tô sentindo, ainda vou ver um show do Libertines antes de morrer.

isa disse...

Qd não é lá é aqui!

Louise disse...

Não acredito q gastou um post pra escrever isso ¬¬ (e eu q ainda me dou ao trabalho de ver isso aqui)