terça-feira, julho 03, 2007

Notícias que gostaríamos de ver – Parte III, A Ressurreição.

Bruce Lee é encontrado vivo e saudável, desfrutando os prazeres da Bahia!

Enquanto vendia camisetas e tênis falsificados, ator/artista marcial tentava se esconder das nossas câmeras.

Domingo, primeiro de julho de 2007, quatorze horas e trinta minutos, em frente ao Banco Bradesco da Avenida Manuel Dias da Silva, Salvador, Bahia, Brasil. Podia ser apenas mais um dia comum para a indústria de informações, mas algo inesperado estava prestes a acontecer.

Como já acontece há algum tempo nos fins-de-semana soteropolitanos, orientais vendiam seus produtos ‘genéricos’ na calçada da avenida e negociavam com sua clientela. “Tlinta e cinco reais” é o preço inicial de qualquer item, sujeito a mudanças dependendo do tempo e da qualidade da pechincha. Talvez por sorte – talvez por predestinação – nossa equipe se situava no local naquele momento fatídico.

Isso, caro leitor, ele não morreu. E não é o Elvis, muito menos o Tupac Shakur. Era um homem cuja morte não costumava ser questionada: - e talvez por isso os traseuntes passavam ao seu lado sem desconfiança - a lenda dos filmes de artes marciais, Bruce Lee. Carne, osso e socos de meia polegada vendendo muamba em Salvador. Apesar de ter escondido o rosto quando percebeu que estava diante de uma equipe de reportagem, nossa fotógrafa conseguiu captar três fotos do indivíduo em plena atividade.



Mais tarde, um dos comerciantes (que optou por não se identificar) confessou que – como desconfiávamos - aquele não era apenas um sósia do ator. “Ele usa um ploduto muito eficiente pala tingir os cabelos. Você se intelessou? Estou vendendo por tlinta e cinco reais, né?”

Continua na página 12.

Um comentário:

Mari disse...

legal ter o meu trabalho exposto sem os merecidos créditos. hunf!
foto por: marília